Vamos Amar? Amar não é cuidar

Vamos Amar? Amar não é cuidar

“Quando a gente ama é claro que a gente cuida”.

Parece tão bonita essa verdade que Caetano Veloso cantou.

Mas não é bem assim. Tem um nó nesta história que precisamos desatar.

Amar é diferente de cuidar. Amar é diferente de amor. Amor é um sentimento.

Fácil sentir, impossível definir sem que falte algo. Definir amor é um ato subjetivo e por isso sempre controverso e não consensual.

Distante das discussões teóricas foi cantado e proseado desde  Luís de Camões:

“Amor é fogo que arde sem se ver; é ferida que dói e não se sente; é um contentamento descontente; é dor que desatina sem doer.”

Amar, diferente de amor, é um verbo, uma ação, uma atitude.

Em tempos de amar contemporâneo, precisamos diferenciar amar de cuidar.

Amar é estar com o outro em sua dignidade, no direito à sua singularidade e às suas escolhas de formas de vida.

Amar acontece em uma história construída que, com o tempo, vai além da atração física, passando para uma preocupação com o bem-estar do outro para o seu próprio bem-estar, com cumplicidade, intimidade e companheirismo.

Amar gera uma influência mútua, no qual a (in) felicidade de um causa a (in) felicidade do outro.

O cuidar aparece, mas não é o tema da história. É situacional, quando for necessário. Um não tem que fazer algo sempre pelo outro. O bom é estar com o outro.

Quando misturamos amar com cuidar, a paisagem muda.

O cuidar é contínuo. Aqui, quem ama cuida como na música.

Os cuidadores querem colonizar um ao outro, não aceitando suas singularidades. 

As motivações partem de pensamentos amorosos, mas desqualificadores: eu sei e posso ensinar para ele.

Eu sei o que é melhor para ela.

Eu sei mais do que ele.

E nesta hierarquização de competências, quem pode mais, quem sabe mais, quem é mais forte, cuida do outro.

O conflito é inevitável porque nunca saberemos o que é melhor para o outro melhor do que o próprio outro? 

Reina a paz enquanto um cuida e o outro aceita e ambos se deleitam com essa hierarquia.

O conflito se instala quando os cuidandos crescem, e começam a buscar uma relação igualitária de mais autonomia, menos controle.

Os cuidadores, por outro lado, não vão abrir mão de um espaço conquistado e iniciam a luta para continuar no controle.

Outro itinerário do conflito é quando os cuidadores cansam e se irritam com as desobediências dos cuidandos e iniciam caminhos sem volta gerando violência.

Por amar desta forma, cuidam.

Para manter o cuidado, controlam.

E este controle que cansa ambos, vai virar pressão, vai virar violência psicológica, violência verbal, podendo chegar na violência física.

E desta forma, não será mais possível avistar o sentido original de amar e cuidar.

Ele transformou-se em violência e conjugou amar com sofrimento.

Cena final:

Os cuidadores definidos como os vilões da história, sem entender nada, seguem sozinhos com seus sentimentos de incompreensão, raiva e abandono profundo.

E os cuidandos? Eles seguem procurando outros pares complementares, ou então com um pouco mais de empenho, cresceram e estão hoje em relações igualitárias.

 Escolha o enredo para você caminhar na sua história de amar.

Se o caminho não está agradando, transforme-o. Use seus personagens internos.

Você pode ser o autor, que ao mesmo tempo dirige você como ator em sua vida.

Proponho outra melodia:

“Só há amor quando não existe nenhuma autoridade”. Raul Seixas

Telma Lenzi| Junho de 2013

OUÇA ESSA CRÔNICA GRAVADA

Compartilhe

2 comentários

  1. Pingback: VAMOS AMAR | BEM MELHOR ASSIM

  2. Pingback: VAMOS AMAR | BEM MELHOR ASSIM

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*