Câncer de Mama

Câncer de Mama

Quero falar com as mulheres.

Mulheres que recém receberam o diagnóstico de Câncer de mama, que estão passando ou já passaram por essa doença.

Ou com você que perdeu uma pessoa muito amada para o câncer de mama.

Eu tenho legitimidade nesse lugar de fala.

Eu também sou uma sobrevivente do Câncer de mama.

O câncer de mama é o tipo de câncer que mais mata mulheres no País.

Em 2018 – 17. 500 mulheres morreram no Brasil por causa do Câncer de Mama.

Se espera para os próximos 12 meses, 66.000 novos casos de câncer de mama, diagnosticados.

Então, se você não é uma sobrevivente, não está passando por isso, nem perdeu alguém pro Câncer, você não está livre de vivenciar uma dessas situações.

Minha intenção não é assustar, é conscientizar.

Trazer o tema para o diálogo, pra quebrar o estigma, o tabu sobre a doença CÂNCER, para tirá-lo das margens e, também por outro lado, questionar a sua glamourização.

Eu sou uma sobrevivente em uma condição de privilégio.

Classe média alta, plano de saúde particular, irmão médico Mastologista, amigos médicos que agilizaram o caminho para mim, em 9 dias – após o diagnóstico já tinha feito a cirurgia.

Todas sabemos que a possibilidade de cura está diretamente ligada se foi descoberto em seu estágio inicial.

Mas o diagnóstico precoce depende do conhecimento, da consciência da importância do auto exame.

E de nada adiantará se a mulher não puder ter a confirmação dos exames complementares, que dependem de agendamentos, equipamentos e profissionais especializados.

Do meu lugar de privilégio e conhecimento, percebi o câncer de mama pelas minhas mãos, pelo auto exame a 10 anos atrás.

O auto exame está nas possibilidades de todos, mas nem sempre é eficiente.

E a sequência do diagnóstico e tratamento, ah essa não é para todas.

Que violência!

A Lei previa 60 dias entre o diagnóstico e o início do tratamento do câncer em pacientes do SUS. Agora o prazo foi alterado para 30 dias.

Porém, o Instituto Oncoguia cita que 60% dos casos de câncer no Brasil só são descobertos em estágio avançado, com chances menores de sobreviver.

Não há intenção política, ações suficientes para prevenir e nem orçamento para mudar essa realidade. Não há equipamentos e nem profissionais para essa demanda.

Então pra que serve a Lei se ela por si só não vai criar uma nova realidade?

E a realidade das mulheres do Brasil é essa.

Não é para todas o privilégio.

A glamourização do câncer de mama nas redes sociais, aponta os privilégios: Tratamentos multidisciplinares, apoio total de suas redes pessoais e familiares, lindos lenços, maquiagens perfeitas, perucas importadas, sorrisos para foto.

Na contramão desta realidade está a maioria das mulheres brasileiras.

Elas não tem plano de saúde e depende do SUS.

Foram diagnosticadas e não conseguem marcar a cirurgia.

Enquanto esperam, a doença diminui drasticamente suas chances de sobreviver.

Após a cirurgia seguirão aguardando em longas filas para o tratamento complementar, medicações.

Não terão atendimento de suporte multidisciplinar.

Terão que seguir dando conta da vida, da casa, dos filhos e a licença do trabalho reduz seus ganhos.

Mas as despesas com a doença, o medo e a dor só aumentaram.

Em uma ponta da balança, mulheres sem privilégios e desassistidas pelo estado.

Na outra ponta mulheres privilegiadas.

Em que ponto desta curva estamos?

Como podemos diminuir a violência contra a mulher?

O que cabe a mim e a você que me escuta?

Falar, falar, dialogar, trazer esse assunto para a consciência de todas, todos e todxs.

Não se conformar com essa realidade.

Manter a sua indignação, denunciar para gerar novos conhecimentos e revolucionar o sistema de dentro.

Das trocas do um a um podemos criar novas realidades, com acesso que privilegiem a todas as mulheres.

Pressionar o Estado pelos meios que sejam possíveis a você.

Apoiar as causas femininas e feministas.

A poiar a Rede feminina de combate ao câncer, a AMUC, o Cepon, o Mama Solidária, todas as iniciativas que gerem possibilidades de mudança.

Enfim não sentar na cadeira macia da zona de conforto dos privilegiados.

Por favor,

Se cuide, se toque.

Não seja a mulher que dá conta de tudo, além da conta.

Seu corpo vai querer parar.

E a doença, ou a morte pode ser uma narrativa de paz, de descanso.

A doença pode ser encarada como um ponto de mutação.

Um marco em nossa biografia que pode nos trazer mais clareza de propósito pelas grandes lutas pessoais e sociais.

E se você está passando pela doença, já passou como eu, ou perdeu alguém, que boa causa para lutarmos juntas, não?

 

Voce aceita o convite?

 

 

Telma Lenzi

 

8/10/2020

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*