Ação Política – Como podemos transformar o mundo através de nossas ações cotidianas

Ação Política – Como podemos transformar o mundo através de nossas ações cotidianas

Toda ação que realizamos no mundo é de alguma forma, uma ação política. Ela defende um ideal, tem um background e valores implícitos. Ela demarca a nossa filosofia e a nossa direção. Direciona nosso olhar e nossas escolhas para consigo mesmo, o outro, o mundo. E pode gerar esperança.

 

Gostaria de apresentar a minha filosofia e seus norteadores, fundamentos de minhas ações no mundo, minha forma de pensar, refletir, agir e escrever. Elas atravessam minhas escolhas de palavras, meus convites para reflexão.

Envolvem tanto minha vida pessoal como profissional, sem distinção. Elas são as Práticas Colaborativas Dialógicas.

Essas práticas partilham de uma base comum de uma crescente comunidade internacional de estudos fundamentados em pressupostos derivados de teorias pós-modernas, construcionistas sociais e dialógicas. São chamadas práticas pós modernas, conversacionais, dialógicas e discursivas.

 

O que são as Práticas Colaborativas?

Envolvem uma postura filosófica para o relacionar-se e os relacionamentos.

  • Estar com o outro e não para o outro, pelo outro ou sobre o outro. Uma atitude, uma maneira, um tom que comunica as pessoas a importância delas pra mim.
  • As pessoas são seres humanos únicos e não uma categoria, e serão reconhecidas e apreciadas.
  • As pessoas tem algo a dizer que sempre vale a pena ser ouvido. Esta postura convida e encoraja as relações igualitária.

 

Alguns norteadores

  • Colaboração: importância de dar voz a todos. Desta forma, reforçamos a importância da democracia, da justiça social e dos direitos humanos.
  • Relações Igualitárias: gentileza, afeto, interesse genuíno na singularidade do outro.
  • Não as generalizações: somos todos singulares. Da mesmas forma, as soluções para os problemas humanos também o são.
  • Ceticismo:  verdades são construções sociais. Caberá aqui sempre a pergunta: a quem interessa tal verdade?
  • Respeito ao conhecimento local: validação do saber do outro sobre sua realidade.
  • Diálogos: convite a estarmos sempre em postura dialógica, tanto externa como privada, nos diálogos internos.
  • Self Dialógico: auditório de Personagens Internos definindo itinerários de nossas ações no mundo.
  • Feminismo Colaborativo: um convite para diálogos colaborativos entre homens e mulheres para a desconstrução do modelo machista patriarcal vigente.

 

Esta filosofia sustenta em mim a Esperança de que podemos ser a mudança que queremos ver no mundo.

Acredito que podemos gerar uma grande revolução, uma subversão de dentro do sistema.

Chamamos essa ação de Micro Práticas Transformadoras.

Quando não quereremos ou não podemos mudar o sistema de cima pra baixo, podemos agir desde dentro, no cotidiano das relações. Toda pessoa em suas práticas cotidianas pode iniciar uma diferença. Todos nós podemos transformar o mundo pelas conversas um a um, em diálogos respeitosos.

Podemos abandonar a ideia do individualismo e aumentar nosso cuidado com nossos relacionamentos e nossa comunidade através de práticas dialógicas respeitosas, de colaboração e respeito pelas singularidades de cada um.

Somos todos interligados no coletivo e teremos força de transformação quando contribuirmos para o bem-estar do processo relacional, que inicia e se propaga no um a um.

Eu acredito e me dedico a este caminho das micro práticas transformadoras.

O caminho de conversa em conversa, de reflexão em reflexão,  inspirando pessoas a fazerem a diferença e também a inspirar outras pessoas.

 

Telma Lenzi | 23 Maio 2020

OUÇA ESSA CRÔNICA GRAVADA

 

 

 

 

 

 

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*